10 Lições que tirei ao ser voluntário na copa

Por João Paulo Castilho
Termina a Copa das Confederações. Brasil foi campeão, Espanha vice. O evento que foi o grande teste do Brasil antes da Copa do Mundo havia sido duramente criticado pela população que pedia um país mais justo do que um estádio bonito. Por mais que os protestantes estivessem certos (muitos ideais concordados por mim), tive orgulho de ter ajudado a organizar a competição, pois 1) foi uma grande chance de mostrar meu trabalho num evento visado e badalado e 2) trouxe muitas histórias para contar a meus filhos no futuro.
Após ser voluntário no amistoso Brasil x Chile, no Mineirão, fui convocado pela FIFA a trabalhar no Centro de Mídia (SMC) do mesmo estádio durante 15 dias e nos três jogos que Belo Horizonte recebeu da competição. Então, aqui vão dez conclusões que tirei deste voluntariado, que vai ficar eternamente marcado na minha vida pessoal e profissional:
  1. Ser voluntário da Copa das Confederações foi um sonho realizado que durava quase seis anos. Desde o Pan de 2007 desejava atuar ativamente na colaboração de um grande evento esportivo para ganhar o maravilhoso uniforme e ver os jogos dentro do estádio. Sempre sonhei com essa roupa e finalmente consegui. Sonhei em ver os jogos e vi partidas MEMORÁVEIS (Foi maravilhoso ver o gol de honra do Taiti, os gols do Chicharito e o da vitória brasileira sobre o Uruguai). Mas aprendi: ser voluntário não é só vestir Adidas e assistir jogos de futebol: é vestir Adidas, poder ver jogos e trabalhar duro para que o espetáculo saia da melhor maneira possível.
  2. Ser voluntário foi muito legal porque pude fazer amizades de vários lugares do mundo: pessoas que vinham desde o bairro Serra (BH), até pessoas da América (Colômbia, Peru, México) e da Europa (Alemanha, Holanda e França). Além disso, essa Copa me fez reencontrar dois camaradas de longa data, que não via há tempos e que foram presenças frequentes do Centro de Mídia do Mineirão: Guilherme “Piu” Guimarães (O Tempo) e Tarcísio Badaró (TV Globo), sem falar dos amigos que fiz no jogo Brasil x Chile, que não os via desde então. Aproveito a oportunidade e deixo o meu forte abraço aos todos e obrigado por tudo.
  3. Ser voluntário da Copa das Confederações significou ser um profissional muito melhor. Vi como funciona uma cobertura de torneios internacionais, vi o funcionamento dos bastidores, vi como se organiza uma transmissão de jogos, recebi conselhos bons, realizei trabalhos próprios da imprensa, fiz outros que nada tem a ver com Jornalismo, engoli alguns sapos, não engoli outros, levei puxões de orelha… Mas tudo isso serviu para que eu amadurecesse profissionalmente e daqui pra frente não só meu currículo estará mais enriquecido (afinal, trabalhar na Copa das Confederações é pra poucos), mas principalmente a minha capacidade profissional. Com a bênção de Deus, muitas portas abrirão para mim no futuro e acredito sinceramente que vou ser um funcionário infinitamente melhor do que era antes do início dos trabalhos no Mineirão.
  4. Ser voluntário [vou copiar uma colega voluntária], me mostrou que “há quatro tipos básicos de jornalistas: aqueles que sabem muito e são humildes. Aqueles que não sabem nada e se acham os tais. Aqueles que também não sabem nada, mas justamente por isso são humildes. E aqueles que sabem TUDO, são humildes e trabalham como voluntários. Se algum desses jornalistas chatos te tratar mal, apenas sorria. (Mas guarde bem a cara dele para aquela hora da coletiva de imprensa movimentadíssima da semifinal, em que você estará responsável pelos microfones, e ele estará lá, levantando epilepticamente a mãozinha, doido para fazer uma pergunta).” É nessa hora que o troco vem. Voluntário bobo e refém de humilhação é o cazzo.
  5. Ser voluntário da Copa das Confederações foi a grande oportunidade que tive de aprimorar na prática o meu espanhol. Perdi a vergonha e encarei o desafio e corri o risco de ser achincalhado pelos europeus. Passei no teste. Meu espanhol foi altamente elogiado por colombianos, uruguaios, peruanos, mexicanos, argentinos e até mesmo por um jornalista de Barcelona, que tratou os brasileiros com todo o respeito, diferentemente de alguns atletas da Fúria. Graças a Deus, neste teste eu fui aprovado.
  6. Ser voluntário da Copa das Confederações foi a oportunidade de realizar o sonho de conhecer três dos jornalistas que eu mais admiro: OSVALDO PASCOAL e ERALDO LEITE (Rádio Globo) e WAGNER MENEZES (Super Rádio Tupi). Surpreendentemente, ambos foram atenciosos, gostaram do meu conhecimento futebolístico e jornalístico e pude estreitar um futuro relacionamento profissional com eles. De um mero fã, saí dessas resenhas bate papo um futuro colega de trabalho deles. “Sonhar não custa nada”, como diria a velha canção.
  7. Ser voluntário da Copa das Confederações me resgatou o ânimo de me formar em Jornalismo. Estava desanimado com a profissão devido a vários acontecimentos, em especial em 2012. Porém, a esperança renasceu. Tive contatos maravilhosos com os jornalistas brasileiros e estrangeiros (em especial os latinos) e ao vê-los trabalhar arduamente, vi que não posso deixar a esperança apagar. Se ela é a última que morre, por que vou desistir? A luta continua, minha gente!
  8. Ser voluntário da Copa das Confederações me deu uma das maiores emoções da minha vida: Dia 26 de junho – Brasil x Uruguai no Mineirão, mesmo dia em que completei 25 anos de idade. Nesta data pude trabalhar num setor vital para o trabalho dos jornalistas e de quebra consegui ver a partida nas arquibancadas nos braços do povo. Sou crítico forte da seleção, admito, mas ver a onda verde-amarela foi lindo. Não aguentei e torci pelo Brasil. Funcionou!
  9. Ser voluntário me fez tirar uma conclusão importante: se quiser trabalhar com a imprensa na Copa do Mundo, TENHO QUE ME APROFUNDAR NO INGLÊS. Não adianta vir o básico e ser nacionalista. Poucos se interessam em falar o português e mesmo com a consciência de que eles quem deviam falar a nossa língua, tenho que falar inglês razoavelmente bem, se quero me tornar um grande profissional. Pedir para outro falar para você é horrível e com isso perdi chance de conversar mais com eles e de formar novas amizades.
  10. E o mais importante: ser voluntário me mostrou que agindo naturalmente, todos nós iremos longe. Isso de tentar ser alguém só para agradar meia dúzia, não funciona no mercado de trabalho. Humildade, serenidade, raça, alegria, cortesia, perseverança e vontade de fazer sempre o melhor, fizeram os voluntários de Belo Horizonte grandes fortes elogios não só da imprensa, mas principalmente da cúpula da FIFA. Uma grande honra para todos nós, que deram o máximo de si e que teve que suportar a forte crítica dos opositores do torneio. E nesses 15 dias, vi que ser cômico, falador e superdisposto não é tão ruim assim. Isso é sinal de personalidade, inteligência e caráter. Só lamento àqueles que nos chamaram de “vendidos da FIFA” e que “trabalho de graça”. Equívoco total.
Deixo aqui o meu obrigado a todos os meus coordenadores que nos mostraram como é o trabalho nos bastidores de um evento esportivo e que tiveram a sensatez de nos orientar sem autoritarismo. Fácil não é, mas trabalhamos com muita vontade e alegria graças a essa serenidade. O mercado precisa disso. E agradeço do fundo do meu coração aos meus colegas voluntários, que além de companheiros de trabalho, foram professores um dos outros. Muitas lições e conselhos foram tirados e ressalto: aprendi muito com vocês.
Propositalmente, deixo por fim a alegria e a honra de trabalhar com a minha mãe, Mírian, que também foi voluntária (Setor dos Espectadores). Professora aposentada, ela nunca me deu aulas na escola, mas este vazio foi preenchido pelo prazer de ser seu colega de trabalho. Essa alegria, dinheiro não paga. Já pude trabalhar com o meu pai e a felicidade foi semelhante. Deus, obrigado por esse momento.

voluntarios copa

Churchill já dizia: “o otimista enxerga uma oportunidade em cada calamidade”. Eu sou otimista. Meu dia pode ser amanhã ou em 2030, mas ele vai chegar. Eu acredito sempre, e vocês? Que venha a Copa do Mundo em 2014, mais motivado e esperançoso do que nunca. Críticas cairão sobre nossas cabeças, mas vamos passar por cima disso tudo. Eu creio. Obrigado, Copa das Confederações. Obrigado, Mineirão. Obrigado, meus amigos.

voluntario copa

Por João Paulo Castilho – Enviado para o Participe!
 Curta o aventure-se.com no Facebook | Siga no Twitter
Anúncios
Galeria | Esse post foi publicado em Informação e marcado , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para 10 Lições que tirei ao ser voluntário na copa

  1. cibele disse:

    Adorei seu depoimento sobre a grande experiência do voluntariado; saiba que és um vencedor,inteligente, seu texto é bem escrito,parabéns.Me inscrevi para ser voluntária na copa 2014 e aguardo o processo seletivo. Também tenho o sonho de cursar jornalismo, gostaria de trocar informações contigo.Abraços.

  2. João Paulo Castilho disse:

    Cibele, em primeiro lugar muito obrigado pelos elogios sobre o texto. Fiz o que máximo que pude e foi de coração. Em segundo, tenho certeza de que se for voluntária, vai gostar muito e isso dá uma guinada não só no currículo, mas na vida também. Você aprende algumas lições que dificilmente consegue arrancar de si. E em terceiro, que o sonho de estudar Jornalismo se torne realidade o mais rápido possível. Como disse no texto, não me formei, mas se quiser pode entrar em contato comigo no e-mail: joaopaulo.rochacastilho@gmail.com . Será um prazer conversar contigo. Um beijo na sua alma.

  3. EDILSON disse:

    Caro Paulo, com meus 61 anos de idade, senti-me um “menino” no meio da galera. Aqui no Recife talvez as dificuldades tenham sido ainda maiores que aí nas Alterosas mas nós os voluntários com muito brio e vontade fizemos a diferença.
    No futuro, quando se falar na Copa das Confederações 2013, teremos orgulho em afirmar: NÓS FIZEMOS PARTE DESSA HISTÓRIA.
    Estamos todos de parabéns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s