São Paulo/SP – Parte 2/4

Continuando nossa viagem de janeiro de 2007…
Durante o trajeto de longas horas dentro do ônibus até chegar em São Paulo, nossa primeira noite dentro do ônibus; conhecemos Max Aoni, um capixaba que trabalhava em SP, representante de uma marca de instrumento musical. Tivemos a sorte de conhecê-lo, pois estávamos completamente perdidos, afinal SP possui três rodoviárias e não conhecíamos nada da metrópole. (DICA: Converse com estranhos!) Ele nos deu algumas dicas e nos acompanhou até a estação da República, onde descemos e seguiu seu caminho.
Desembarcamos e andamos alguns quarteirões até o hotel que hospedamos durante o primeiro dia, pois não havia mais vagas disponíveis no hotel, localizado na Av. São João, ao lado da Galeria do Rock, em frente ao Largo Paiçandu.

Largo Paiçandu

Depois de deixar as malas no hotel, andamos pelo Centro de SP, procuramos outros hotéis e conhecemos a Galeria do Rock, muito bacana! Não deixe de conhecer! De noite, fomos explorar outros lados, passeamos à pé pela Rua Augusta e Av. Paulista, onde tinha um supermercado próximo e fizemos compras para lanchar. Na Augusta encontramos um hotel com ótimo custo x benefício, para onde decidimos ir no dia seguinte, sendo que não poderíamos continuar no primeiro.
Na volta foi uma aventura e tanto! Ficamos um pouco perdidos e era mais de meia noite, por sorte encontramos um posto policial, onde pedimos informação para voltar ao hotel; os policiais nos acharam corajosos de estar andando à pé, naquele lugar, àquela hora e cheios de sacola! Próximo ao hotel, estava acontecendo algo que não entendemos muito bem, mas parecia um assalto. Então esperamos um tempo num ponto de ônibus que estava mais movimentado, até conseguirmos passar e chegar ao hotel! Sãos e salvos!
No dia seguinte, fomos à pé de mala e cuia até o hotel da Rua Augusta, sem ficarmos perdidos, deixamos nossas bagagens e fomos desbravar São Paulo. Fizemos um passeio mais completo pela região Central, passamos pela Praça Ramos de Azevedo, Shopping Light, Viaduto do Chá, 25 de Março, Mercado Municipal, onde não conseguimos conhecer muito bem, porque estava fechando.

Viaduto do Chá

Depois ainda visitamos a Pinacoteca do Estado, muito gigante e bacana, com muitas, muitas obras de artes, além de um jardim enorme, para conhecer tudo com calma seria necessário alguns dias! Gastamos algumas horas por lá… abaixo um quadro que o Rodrigo gostou muito, em especial!

Quadro de Antonio Parreiras, Fim de Romance, de 1912.

E, localizada ao lado da Pinacoteca, aproveitamos para passarmos pela Estação da Luz, muito bonita, grande e cheia de gente! Próximo de lá comprei (Raquel) uma mochila igual uma que o Rodrigo tinha (comprada no RJ) que foi minha companheira por bastante tempo, barata e no tamanho ideal, nem muito grande, nem muito pequena.

Estação da Luz

E, por último, fomos ao Centro Cultural Banco do Brasil, onde estava com uma exposição itinerante e interativa, e nos divertimos bastante. Fizemos tudo à pé, ida e volta, só pra variar… nessas viagens a gente sempre emagrece, será porque? 

Exposição itinerante no Centro Cultural Banco do Brasil SP

De noite ainda resolvemos sair! Pegamos o metro para a Vila Madalena, a procura de uma boate, demos muitas voltas, conhecemos o bairro, mas não encontramos a boate. Então voltamos rapidamente, antes que o metro fechasse. Passeamos pela Av. Paulista e depois comemos uma pizza no Habib’s na Rua Augusta e fomos dormir.
A viagem continua no próximo post!
Raquel Gonzaga /Rodrigo Nominato
 Curta o aventure-se.com no Facebook  | Siga no Twitter
Anúncios
Galeria | Esse post foi publicado em viagens e marcado , . Guardar link permanente.

2 respostas para São Paulo/SP – Parte 2/4

  1. Vital Vieira Filho disse:

    Raquel e Rodrigo, tudo bem?
    primeiro quero lhes dizer que o pouco que conheço de Vitória e Vila Velha é o bastante para dizer que são cidade muito lindas. Sou de Salvador e moro em Sampa já fazem alguns anos.
    O motivo de fazer o comentário é de não concordar com a dica de “conversar com estranhos” em São Paulo. Seria melhor utilizar um GPS ou se informar em órgãos de turismo, com a polícia, em balcões de informações nas rodoviárias e metrôs,consultar mapas, etc.
    A violência está muito grande e a quantidade de oportunistas na cidade cresceu de mais e é muito perigoso um turista se mostrar perdido para pessoas que não temos referências.
    No restante estão de parabéns, vocês escolheram bem os lugares, porém São Paulo é um mundo inteiro e vale à pena vocês retornarem para visitarem outros pontos interessantes, tanto culturais como para lazer e compras. Os restaurantes são excelentes também.
    Um grande abraço,

  2. leandro disse:

    Sou paulista, adoro minha cidade e nos últimos 3 meses tenho lido td a respeito de blog que contam aventuras em outras cidades. Na verdade, estou indo ao PERU, BOLIVIA E CHILE em agosto. Por coincidencia achei esse blog. Enfim…. A respeito da cidade o post acima está correto. Mas nao posso deixar de comentar que RIR mto com o episódio sobre o assalto. Sinceramente sinto até vergonha disso. Já mta mta mta coisa sobre viagem nas mais diferente cidade desse mundo, mas é a primeira vez que leio algo sobre assalto e justamente na minha cidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s